Retrobright: Vale a pena ?

O amigo Juliano Constantino (ejayscbr) enviou um texto e fotos sobre sua experiência com retrobright, ao qual inaugura o primeiro post do site não escrito por mim, mas que passa no meu “selo de qualidade” 😉

Daqui em diante, passo o texto ao Juliano.

Quando se entra para o mundo da retro-computação, além de colecionadores, acabamos por muitas vezes assumindo o papel de técnicos e restauradores, sendo este último pra mim o mais divertido. Neste post pretendo mostrar uma de minhas experiências com a restauração de um Commodore 128, então vamos lá.

 

Exorcizando a “hepatite retrocomputacional”

Sem dúvida é muito satisfatório adquirir um equipamento em estado precário, já pela sua idade, e depois de um processo de restauração ver o resultado dele funcionando como novo.

E foi assim que sempre me preocupei com meus computadores, seja fazendo manutenção preventiva, adaptações (as famosas gambiarras), ou simplesmente executando uma limpeza. Já recebi equipamento tão imundo que parecia ter sido enterrado na lama e sujo com graxa.

Uma das coisas que sempre me incomodou, foi o amarelado, comum em micros antigos, principalmente os originalmente mais claros como os “Commodores”, Macs e PCs.

Pesquisando na internet encontrei a fórmula Retrobright, que consiste em misturar alguns ingredientes e aplicar sobre a peça, expondo-a ao sol. Simplificando assim parece fácil, mas alguns truques que descobri no meio da empreitada ajudaram muito no clareamento.

 

Dicas e detalhes importantes

O segredo de tudo está no peróxido de hidrogênio, comercialmente conhecido como água oxigenada. Para se ter uma ideia, esta substância é utilizada até mesmo em clareamento dental.

A fórmula básica usada por mim foi esta :

  • 100 ml de Água Oxigenada (40 volumes) – tem que ser a água cremosa.
  • 1 colher de sopa de glicerina
  • 1 colher de sopa de Vanish

A água oxigenada, como já disse, é o que vai ajudar no clareamento, a glicerina ajudará a não ressecar tanto o plástico e irá colaborar na aderência da água oxigenada na peça. O Vanish, além de complementar na limpeza (tirando qualquer mancha profunda de sujeira), sua fórmula efervescente fará com que a água oxigenada continue ativa por mais tempo. Não exagere no Vanish, pois a fórmula ganha volume facilmente. Usei Vanish demais na primeira vez e foi como ver um bolo crescendo para fora da forma.

Para criar o Retrobright é simples, basta misturar tudo e aplicar sobre a peça.

Uma dica importante que aprendi (a patroa deu a dica na verdade), é que no salão de beleza, a água oxigenada funciona melhor se você aplicar calor e usar um saco plástico, e criar um pequeno efeito estufa. Enfim, testei, coloquei as peças já com o produto, enroladas com plástico, e deixei no sol. O resultado foi muito melhor, pois o plástico evita que as substâncias evaporem, criando o tal efeito estufa.

Pode-se também usar uma lâmpada ultra-violeta, mas não achei nada funcional, o processo é bem mais lento e só funcionou mesmo em peças pequenas .

Outra curiosidade, segundo alguns sites, é necessária a luz do sol para ativar a reação devido a luz UV, o que achei estranho, pois mesmo com o tempo nublado os raios UV ainda chegam até nós, aí por curiosidade testei a fórmula durante um dia nublado e meio chuvoso, o resultado foi interessante, pois o clareamento funcionou, digamos 70% da eficiência de um dia de sol.

 

Mas há riscos no processo?

Algumas pessoas ainda tem receio de utilizar a fórmula, com medo de ressecar ou danificar o plástico de seus micros, mas até hoje com todas as experiências que fiz, nunca tive problema algum, e como vou mostrar, os resultados valem a pena.

Durante o uso, nenhum desenho, nenhuma tinta (de teclas ou símbolos), se apagaram. Não tive nenhum problema de ressecamento ou enfraquecimento do plástico, tudo se manteve original.

Abaixo algumas fotos das minhas experiências com o retrobright:

Mouse sob a luz UV e retrobright, com o resultado na parte de cima:

Observe o resultado da frente do meu PC (cobaia). Esse foi feito em dia de chuva, e ele era mais amarelo do que o Commodore 128.

 

Jogando “água benta” em um Commodore 128

Agora vou mostrar a experiência que fiz com o Commodore 128, que na minha opinião foi o que teve o resultado mais impressionante.

Nem preciso dizer nada, era amarelo de hepatite ou amarelo ovo ?

Comecei fazendo um teste com a tampa:

Apliquei o produto junto com a parte debaixo do mouse, mas o engraçado é que, com a luz UV, o mouse ficou claro, mas a tampa não, e não mudou nada.

Dias depois tentei novamente a fórmula, em um belo dia de sol:

As teclas também foram para o produto:

E o resultado:

Impressioante, não?! As teclas não ficaram tão claras, essas irão para outro banho de retrobright mais tarde.

E finalizando, um comparativo da parte de baixo, foto tirada sem flash com menos luz:

E depois do processo efetuado na máquina por completo, veja como o tom entre a tampa e a parte de baixo ficou uniforme:

Estes resultados foram atingidos com a exposição ao sol das oito horas da manhã até as dezoito horas.

Pessoal, espero que tenham gostado, e se forem testar o produto, lembrem-se, é por conta e risco de cada um, e não esqueçam de comentar e compartilhar suas experiências, até uma próxima.

 

Comentários da “Casa dos Nerds”

Realmente achei a experiência do amigo Juliano válida e interessante, quem sabe assim crio coragem e acabo exorcizando também meu Commodore 64C e o drive 1571.

Se você tem alguma experiência, projeto ou texto que se encaixa com o estilo do site, e se interessa em divulgar, envie para mim um e-mail ou comentário. Vale o aviso que todo material é avaliado previamente e poderá passar pelo processo de quase “ghostwriting” a fim de se encaixar com o padrão do site, mas sempre sem alterar o teor, e principalmente, os créditos do autor.

52 comentários

4 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. Ótimo artigo.
    Umas dúvidas: Como você aplica o produto? Ao final da exposição ao sol, fica alguma sobra do produto? Tem que limpar?

    1. Geralmente eu uso um pincel comum, pincelando a peça até ficar como na foto acima, e após o processo, eu lavo a peça com água corrente e sabão comum, que não é tão abrasivo.

  2. Perfeito. Como um dos pais do Retr0bright te parabenizo.

    Apenas umas poucas correções: a glicerina é usada como um umectante, e apenas evita que a água evapore da mistura, o que pode causar manchas por excesso de concentração.

    O processo é uma reação química, então, quanto mais lenta, mais controlável. Exposição ao sol em dias quentes deve ser evitado justamente para não secar a mistura.

    Apenas uma colher de chá de Vanish deve ser usada. Mais do isso simplesmente não dissolve. O composto mais importante do Vanish (e o principal para o Retr0bright) é o tetra-etileno-diamina (TAED). E ele funciona como um catalisador para a formação de ácido periacético (o que por sua vez reverte para mais peróxido, reciclando a água) quando misturado a água oxigenada.

    Por último, MUITO CUIDADO com águas em CREME! Elas podem conter vaselina (causa manchas por isolar o plástico do contato com o peróxido) e TERPANO/TERPENO (um solvente que ataca plástico ABS). Leia o rótulo da água oxigenada antes de comprar.

    1. Puxa, que bela explicação, meu amigo.

      Como sempre, você (e o Mugo) da comunidade Amiga sempre dando grandes aulas sobre os mais variados temas.

      Abraços.

    2. Excelente explicação, aprendi a evitar a evaporação usando plástico filme. Obrigado pela dica sobre a composição da água cremosa. Valeu !

    3. Olá, adorei o Post e acho super interessante poder repaginar itens que fazem parte da nossa vida! Como tenho alguns itens aqui em casa amarelados, gostaria de saber se após efetuar a mistura dos componentes da fórmula, a deixo em repouso para formar a espuma, ou ela se forma a medida que misturamos, ficando pronta para usar?
      caso seja necessário esperar a formação dessa espuma, espero qnt tempo?

      Muito Obrigada!

      1. Deixe a maior parte da espuma baixar e pode usar, sempre usando luvas de borracha para o produto não entrar em contato direto com a pele.

    4. USEI O RETROBRIGHT EM BONECOS STAR WARS BRANCOS,TENHO UMA COLEÇÃO MUITO GRANDE .FICARAM MAIS BRANCOS DE IMEDIATO,POREM EM DUAS SEMANAS VOLTARAM AO MESMO GRAU DE AMARELADO INICIAL .ALGUEM TEM ALGUMA DICA PARA O CLAREAMENTO SER MAIS DURADOURO OU SERA QUE A COMPOSIÇÃO DO PLASTICO NÃO PERMITE . DESDE JA MEUS AGRADECIMENTOS.MAURO

      1. Já vi casos de voltar o amarelamento, mas nunca nesta velocidade. O problema é que se você já fez o retrobright com toda a composição correta, não vou lhe recomendar que repita o processo a fim de preservar o plástico dos bonecos.

        Mas se por acaso for aplicar o retrobright novamente, como devem ser brinquedos estimáveis e raros, assim que eles atingirem a coloração desejada, mantenha-os longe do calor moderado e luz excessiva para ver se o processo é mantido desta vez.

  3. Por último, se quiser preservar seu resultado, aplique uma demão de verniz incolor FOSCO. Isso vai impedir o oxigênio de entrar em contato com o plástico e aí o amarelado não volta.

  4. Ola pessoal…
    deixei um pouco no sol, mas acho que não o bastante…….
    lavo pra ver como ficou e se precisar volto novamente….

    ou deixo passar a noite….

    um abraço

    1. Você tem que verificar a cada duas ou três horas, ver se esta ficando claro como você quer, caso não tenha ficado claro como você quer, deixe mais tempo, já deixei durante a noite, tive problemas.

  5. Que interessante isso heim. Lembro que na época dos computadores beges (hoje em dia é quase tudo preto né), a gente comprava uma pasta que vendia nas lojas de informática com a promessa de não amarelar. Hahaha, grande m*rda aquilo, não adiantava nada. Tinham que dar um jeito de vender esta parada aí, com direito a kit “faça você mesmo”. 😉

    1. Obrigado pelo comentário, assim, a fórmula é bem eficiente, mas precisa ser feita na hora, os ingredientes são tão comuns que não valeria a pena criar um kit. E no caso o kit tem que partir do criador a fórmula(que não sou eu). E sobre a pasta, já conhecia, mas ela não evita amarelado mesmo, uma bela porcaria.

  6. Os polímeros orgânicos estão em contínuo processo de degradação e, um dia ou outro, os materiais feitos com eles acabarão tendo suas características mecânicas perdidas. Entretanto a velocidade que isto ocorre é muito baixa, depdendendo da qualidadade do material e das condições a que foi submetida.

    Qual seria o meu temor? Luz, calor, catalisador (o peróxido é um potente gerador de radicais livres) e solventes poderiam acelerar a reação de degradação. Por isso é que tenho muito medo de submeter meus itens de coleção a estes tratamentos relativamente drásticos, apesar de muitos relatos de casos de sucessos. Pode ser que hoje esteja bom, mas e daqui a 10 anos? E se justo o meu equipamento tiver uma composição desfavorável para tal tratamento?

    Por tudo isso, particularmente no meu caso, prefiro ver as superfícies amareladas mas íntegras mecanicamente. Não estou querendo invalidar as informações fornecidas, nem desencorajando ninguém. Só quero que as pessoas estejam bem conscientes dos riscos envolvidos, estando bem informadas para optarem ou não pelo tratamento.

    De qualquer forma parabéns pelas informações bem detalhadas e didaticamente expostas.

    1. Não penso muito diferente de você, até por isso costumo brincar com os outros dizendo que tenho “cagaço” em fazer qualquer procedimento de retrobright.

      Nas minhas máquinas uso só sabão de pedra ou no máximo soda cáustica, que não oferece risco algum de agredir o plástico (mas pode acabar com suas mãos se não usar luvas).

      1. Sempre achei Soda extremamente abrasiva…

        1. A soda cáustica é severamente abrasiva em coisas orgânicas, mas no caso do plástico deve-se apenas tomar cuidado com coisas que forem pintadas, porque pode sair.

          Aqui dou o banho de soda só na carcaça, no caso das teclas e tudo mais uso sabão de pedra (aqueles de tanque mesmo) ou neutro.

    2. O processo do retrobright, pelo que sei atinge a parte superficial do plástico, se você pegar um plástico antigo e amarelado, tipo uma tampa de slot de um pc muito antigo, e quebrar ela ao meio, vai ver que o amarelado fica só na superfície, e que no meio ela permanece clara. E a água oxigenada não é tipo um ácido, senão a mulherada não iria aplicar nos cabelos. 😉

      1. O risco do processo não está de forma alguma na água oxigenada, e sim no fato de pessoas que acabam abusando da exposição, então seja no calor gerado no processo ou à excessiva exposição ao Sol, podem ocorrer deformações ou degradação do plástico.

        O fato é que o plástico, independente de qualquer coisa, tem validade e um dia todos os nossos amados micros terão problemas com esfarelamento ou decomposição, mas acho que até lá muitos de nós não estaremos aqui, só lamento se eu tiver netos ou bisnetos colecionadores 😉

        1. Outra curiosidade Mauro, de todos os testes que fiz, sabe que não percebi nenhum calor, muitos falam que a fórmula esquenta bastante, e pessoalmente sempre que fui verificar a peça, ela sempre esteve fria, no máximo com a temperatura ambiente. Mesmo em testes onde a peça ficou enrolada em saco plástico. Talvez por causa da água oxigenada cremosa ?

          1. Aí já não sei lhe dizer, mas sei que há outras combinações de produtos, e talvez no meio desta “ciranda cirandinha”, alguma combinação seja mais forte do que a outra e gere calor.

  7. Bom….

    …não custa nada postar minha experiência com Retr0bright no ano passado.

    http://www.popolony2k.com.br/?p=1218
    e
    http://www.popolony2k.com.br/?p=1308

    []’s
    PopolonY2k

    1. Sem dúvida, quanto mais, melhor 😉

  8. Ótimo texto e fórmula simples.

    Restaurei um TK3000 e apliquei retr0bright durante 6 horas após lavá-lo com água e sabão. Os resultados foram incríveis deixando a carcaça como nova.

  9. Amigo, vou testar hoje essa receita… mas luz negra não é lâmpada UV… eu tenho lâmpada UV que uso para apagar eeproms, e esta você não pode nem olhar diretamente, a não ser que você queira bronzeamento artificial no olho. Mas críticas a parte, bom post!

    1. Olá, amigo.

      Apesar de eu não ser o responsável direto pelo post, irei fazer uma menção sobre isso.

      O Juliano citou “Luz UV” e não “Lâmpada UV”, pois a Luz Negra emite radiação ultravioleta sim, e é uma boa alternativa de baixo custo para o procedimento de retrobright, apesar de ser inferior a intensidade proporcionada pelas lâmpadas de UV para apagar EEPROMs e bronzeamento artificial. Também vale salientar que a lâmpada de UV é perigosa se mal utilizada, pois dependendo da potência pode causar queimaduras na pele, retina e outros acidentes.

      Para retrobright, creio que a luz negra seja suficiente, com preço acessível e de fácil manuseio. Agora se quiser um resultado mais rápido e similar a luz solar, sem dúvida a lâmpada UV é mais indicada.

      Veja esta passagem na wikipedia a respeito do assunto sobre a radiação ultravioleta e luz negra.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  10. Ola , tenho um dreamcast meio amarelado, posso usar esse metodo com ele??? E quanto a não deixar secar, tenho que estar olhando o procedimento a cada 1 hora e caso esteja secando terei que lava-lo e reaplicar o produto ??
    Obrigado!

    1. Sim, funciona praticamente para qualquer plástico, inclusive a carcaça do Dreamcast.

      Se você colocar um plástico em cima e aplicar de forma abundante, não deverá secar.

  11. fiquei interessado em saber pois um dia quis tirar amarelado de um super famicom e acabei passando acetona nao sabia o que podia acontecer mais retirou um pouco o amarelo o probrema foi que sumiu o logo eu acabei pensando que aquele amarelo era como uma gordura ou algo parecido por isso nao é recomendado passar algo acido, agora agua oxigenada nao tentei vou fazer isso agora,quem sabe tire, meus consoles nao sao tao amarelos assim,por isso acredito em mais sucesso,no entanto o medo de estragar eu sei que nao pode acontecer ate porque a mistura nao agride o plastico se agredisse muita gente que fez e teve sucesso vale lembrar que o plastico do super é
    +grosso e ele vai ser o primeiro teste

  12. cara nao fiz a formula ainda mas eu tenho um saturn jap aki que a parte de cima ficou boa apenas com sabao em pó e sol mas o problema mesmo é a parte de baixo ta bem amarelada

    1. Tome cuidado, a fórmula completa é necessária pois cada componente tem sua função no processo. Por exemplo, o espessante (goma xantana) é usado para manter a substância no plástico na aplicação, e assim por diante.

      Vale lembrar que o procedimento deve ser feito com cautela, pois já vi fotos na internet de pessoas que exageraram na fórmula e na exposição ao Sol, e acabaram por entortar o plástico ou agrediram a composição a ponto de torná-lo frágil.

  13. Amigo, vejo que você evitou a goma xantana da formúla original pra comprar menos componentes, seria porque a goma custa caro? não seria melhor utilizar a água oxigenada 30 vol com a goma mesmo?

    1. Não fui eu quem fiz o experimento, mas percebi que algumas pessoas não usaram a goma xantana seja pelo valor alto, pela dificuldade em encontrar ou porque conseguiram outra forma de deixar a fórmula mais firme. Vi casos de gente que usou até mesmo maizena com sucesso.

      1. Eu tenho um super nintendo com apenas 10% do ABS pra branquiar, to pensando em trocar a goma por creme tb, soh preciso ver a composição da mesma…

  14. Galera, vocês sabem quanto tempo o retrobright pode ser guardado num vidro depois de pronto sem perder a qualidade?

    1. Olha, eu não recomendaria guardar por mais de 2 dias. E deixe-o longe da luz.

  15. será que funciona em geladeira e ar condicionado , mesmo sem deixar no sol?

    1. Funciona praticamente em qualquer plástico, mas a exposição aos raios ultravioleta (Sol ou luz artificial) são essenciais para o processo.

  16. Galera, eu fiz retr0bright em um snes, retirei a goma xantana da formula e mudei a agua oxigenada pra cremosa, e realmente o console branqueou, mas ficou com algumas estrias, alguém pode me dizer o que eu posso ter feito de errado?
    o link pra ver o resultada minha experiência:https://dl.dropboxusercontent.com/u/7816299/snes%20retrobright.jpg

    1. A água oxigenada cremosa talvez não tenha se espalhado uniformemente, mesmo que visualmente pareça que esteja tudo bem na aplicação, ou talvez a luz tenha incidido mais em uma parte do plástico.

      O pessoal usa a goma xantana exatamente dar uma consistência uniforme, e segundo relatos, torna o procedimento mais eficiente.

  17. O cara do Gamerade falou que é bom aplicar o retr0bright dos dois lados pq ele deixa o ABS mais forte, isso procede?

    1. Hum… Para mim não faz muito sentido esta afirmação, pelo contrário, o retrobright pode enfraquecer o plástico, tanto que é recomendado fazer uma ou duas vezes até se obter o resultado.

      1. pois eh, dá impressão de que ele deixa mais fraco, mas a explicação dada é que ele reverte a reação química do amarelamento que é causada pelo componente químico anti-chamas que tem no ABS do SNES, e consequentemente deixa o plástico mais forte, de qualquer forma vou continuar pesquisando…
        o link pro vídeo está aqui: http://youtu.be/R-usG12Yp2w

  18. Alguém aqui já usou vanish liquido? eu comprei aqui e to pensando em usar, qual seria a quantidade indicada pra fazer a mistura?

    1. Li poucos relatos sobre usar o Vanish liquido, mas em alguns casos o resultado não foi tão satisfatório.

  19. Olá Mauro Xavier e Rogério Kauer !!

    Tratei o meu Super Nintendo apenas com água oxigenada 40 volumes e exposição ao sol ! Foi minha primeira tentativa depois de andar lendo vários artigos na internet. Limpou bem o amarelado, mas acabou deixando algumas manchas um pouco mais esbranquiçadas do que a cor cinza natural do plástico do console.

    Sabem de alguma maneira de reverter essa ação a água oxigenada ou de devolver a cor original ao plástico ?? Se souberem por favor me ajudem ! Abraços, valeu !!

    1. Hum… Meu amigo… Somente água oxigenada 40 volumes não seria o correto, precisaria mesmo das outras partes para ter uma mistura mais homogênea com melhor aderência, provavelmente o uso avulso causou estas manchas.

      Não sei como resolver, e posso estar enganado, mas acho que não tem uma solução 100% para o caso.

  20. he necessario enxanguar!
    estou pensando em passar em alguns equipamentos, mas he bem complicado desmonta-los!
    essa solução apaga os nomes/marcas e modelos impressos no plástico?

    grato

    1. Sim, enxague-os, e também use adesivos (que sejam pouco aderentes!) para proteger as marcas que já forem adesivadas. Normalmente as marcas que forem impressas no plástico não são afetadas.

  21. Estou montando uma caixa para poder fazer minha primeira experiência séria com retrobright. Pretendo usar lâmpada Uv de verdade. Daquelas germicidas, que emitem radiação UV-C, que apesar de perigosa, promete resultados muito rápidos e talvez mais duradouros.
    Muita gente tem relatado a volta do amarelamento em pouco tempo. Gostaria de dicas sobre como evitar isso. Um verniz acrilico incolor pode ser a solução?

    1. O verniz é altamente indicado para não voltar a ocorrer o processo de amarelamento.

  1. […] Pensando em usar o Retrobright para tirar aquele amarelado do seu micro clássico? Um frequentador da Casa dos Nerds conta sua experiência. […]

  2. […] tampa frontal, do lado esquerdo (problema muito comum desse modelo). Já o SVI-738 precisa sofrer um “banho” de retr0bright. Aguardem novidades para […]

  3. […] procedimento ele deixará a carcaça do seu Game Boy bem mais clara, vou reproduzir o conteúdo do link do site bem resumidamente, somente com a maneira de se fazer e o antes e […]

  4. […] procedimento ele deixará a carcaça do seu Game Boy bem mais clara, vou reproduzir o conteúdo do link do site bem resumidamente, somente com a maneira de se fazer e o antes e […]

Deixe uma resposta